Desconforto e insegurança no ambiente de trabalho

O Sindireceita vem, há anos, denunciando o quadro de precariedade e de falta de segurança em certas unidades da Receita Federal do Brasil (RFB). Duas iniciativas recentes da entidade, já apresentadas à sociedade, relataram exemplos de descaso da administração da RFB para com seus servidores. Por meio do estudo “Percepções de Servidores em Exercício nas Unidades de Atendimento da RFB” e do livro “Fronteiras Abertas”, a entidade denuncia situações extremas vividas diariamente por servidores que atuam nos centros de atendimento e postos de fiscalização fronteiriços.

Após percorrer 31 pontos de fronteira da RFB, do Oiapoque ao Chuí, o Sindireceita constatou que, em localidades isoladas, os servidores não dispõem de condições de trabalho razoáveis, principalmente, em matéria de segurança. Tal fato dificulta ainda mais o já complicado trabalho de provimento e fixação de servidores nesses locais.

Seguem relatos de episódios recentes que revelam precárias condições de trabalho e que foram, inclusive, noticiados pela imprensa:

-No prédio onde funciona o Ministério da Fazenda em Teresina/PI, os servidores tiveram que ameaçar entrar em greve porque o sistema de refrigeração não funcionava. Em um local onde circulam cerca de 400 pessoas/dia não havia ventilação e alguns chegaram a desmaiar.

– Parte do prédio da Receita Federal de Camaçari/BA, região metropolitana de Salvador incendiou na última segunda-feira (16) e há suspeita de ter sido causado por curto-circuito.

-No prédio onde funciona a Receita Federal em Salvador/BA, também foram relatados princípios de incêndio no ano passado.

-A Agência da Receita em Euclides da Cunha/BA, que funciona aparentemente em um prédio abandonado, é o mais recente escândalo. A foto divulgada da frente do prédio é realmente assustadora. Lá dentro os servidores trabalham em um ambiente com paredes em decomposição, computadores sucateados e banheiros quebrados, etc.

 

 

Prédio da Receita Federal em Euclides da Cunha/BA

 

Este sindicato pretende, no decorrer do ano, intensificar este trabalho de denúncia e não relaxará até que esses lamentáveis exemplos de descaso para com os servidores lotados nessas unidades, que já são sacrificados em condições normais de trabalho, venham a ser solucionados. Como muitos absurdos que acabam sendo corrigidos nesse país, as autoridades competentes dão mostras que nenhum esforço adicional será empreendido até que alguma tragédia ocorra e ganhe as manchetes de jornais.