Fazenda – 25 de Setembro de 2012

Um jovem, de 24 anos, que disse ser estudante de direito foi detido pela Polícia Rodoviária Federal (PRF) ao ser flagrado dirigindo um carro roubado e com placas clonadas, na tarde de segunda-feira (24), na BR-262, em Viana, na Grande Vitória. O rapaz foi abordado durante uma operação conjunta de combate à criminalidade da PRF, Polícia Civil e Receita Federal. O suspeito foi encaminhado para a Delegacia de Furtos e Roubos de Veículos (DFRV), em Vitória, onde foi autuado pelo crime de receptação. Ele pagou o valor de R$ 3 mil de fiança e foi liberado.

O universitário foi parado na blitz e assim que ele apresentou os documentos de registro e licenciamento do carro, os policiais ficaram desconfiados. “Os policiais são treinados, e alguns até especializados, em detectar sinais de alteração de documentos e veículos. No caso deste motorista, os policiais identificaram que havia indícios de falsificação no documento. Durante uma vistoria detalhada no veículo, foi constatado que o chassi estava adulterado”, afirmou o inspetor da PRF do Espírito Santo, Willys Lyra.

Ao consultarem a placa do carro, foi constatado que o veículo original pertencia a uma moradora da cidade de Goiânia, em Goiás. Em contato com a proprietária por telefone, ela informou aos policias rodoviários que o carro dela estava na garagem, o que confirmou que o veículo guiado pelo estudante era clonado.

A Polícia Civil informou que o carro pertencia a um lote de veículos transportados por uma carreta cegonheira que foi roubado em fevereiro, no estado de Goiás.

O estudante e o carro foram levados para a Delegacia de Furtos e Roubos de Veículos (DFRV), em Ilha de Santa Maria, em Vitória. A delegada Larissa Lacerda, da DFRV, informou que o universitário disse, em depoimento, desconhecer a irregularidade do carro. “Ele alegou que comprou o carro em Goiás, onde estava trabalhando, e que pagou o valor de R$ 48 mil. Na declaração, o rapaz reafirmou que não sabia que o carro estava irregular. No entanto, não apresentou nenhum comprovante de compra e venda do veículo”, explicou a delegada.

A delegada Larissa Lacerda autuou o universitário pelo crime de receptarão dolosa e arbitrou uma fiança de R$ 3 mil. O valor foi pago e o suspeito solto para responder o processo em liberdade.