A apreensão de 866 kg de cocaína na tarde da última quarta-feira (14), no Porto de Paranaguá, no Paraná, escondida dentro de um pallet de madeira em um dos contêineres do porto, que teria como destino a Bélgica, é um dos destaques desta semana (12 a 16 de agosto) de trabalho dos Analistas-Tributários da Receita Federal do Brasil. Também destacamos a retenção de 70 mil em eletrônicos na Ponte Internacional da Amizade/PR, na última sexta-feira (09). As mercadorias estavam em um táxi que foi abordado ao tentar entrar no Brasil. Durante a vistoria do veículo, as equipes encontraram as mercadorias no assoalho e no banco traseiro do carro.

Na terça-feira (13), os Analistas-Tributários apreenderam um caminhão carregado com maconha e pasta base de cocaína em fundo falso no Porto Lacustre Sete Quedas em Guaíra, também no Paraná. A ação contou com o apoio da Receita Federal, da Polícia Federal e da Polícia Rodoviária Federal. Um dos cães da equipe K9 da RFB identificou as drogas no veículo paraguaio.

Os Analistas-Tributários da Receita Federal do Brasil também atuaram na apreensão de 600 comprimidos de ecstasy, 55 g de cocaína e 23 pontos de LSD nos Correios de Manaus/AM, nesta quarta-feira (14). As drogas foram apreendidas pela Equipe K9 da Alfândega do Porto de Manaus, com destaque para o agente canino Odin.

Outro fato que merece atenção nesta semana é um relatório publicado pela Receita Federal do Brasil. O documento aponta que o Serviço de Vigilância e Repressão ao Contrabando e Descaminho da Alfândega do Porto de Manaus (SEREP) apreendeu R$ 3,5 milhões em drogas e mercadorias ilícitas enviadas por encomendas postais, em Manaus, nos primeiros sete meses deste ano.

De acordo com informações do órgão, de janeiro a junho, foram apreendidas drogas ilícitas avaliadas em R$ 1 milhão e, no mesmo período, mais R$ 1 milhão em mercadorias em situação de descaminho e contrabando. No mês julho, a apreensão foi de mais de R$ 1,5 milhão em drogas ilícitas como skunk, cocaína, MDMA (metilenodioximetanfetamina) e ecstasy, o que quase triplicou o total das apreensões feitas de janeiro a junho de 2019.

O órgão informou que não se trata de aumento do crime, mas sim, maior número de preensões, resultado da atuação mais intensa da Receita Federal no controle de encomendas postais em Manaus. Utilizando equipamentos de fiscalização sofisticados, como o escâner (raio-X), ou usando as Equipes K9 (Cão de Faro) e procedimentos de análise de risco, a Receita Federal combate diuturnamente o tráfico de drogas ilícitas que tanto chegam quanto saem do Amazonas. Os destinos nacionais mais comuns, ou seja, a tentativa do envio das drogas são para os estados do Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais, Paraná e Bahia. Já no sentido inverso, as encomendas para o Amazonas se originam de São Paulo, Santa Catarina, Mato Grosso do Sul, Ceará e Paraná.