Homenagem Dayse

Sindireceita homenageia Dayse Cunha na abertura da 14ª AGN

A abertura da 14ª Assembleia Geral Nacional (AGN) do Sindireceita arrancou lágrimas de muitos participantes por causa da homenagem à Analista-Tributária Dayse Cunha, morta em um confronto entre a polícia militar e bandidos no dia 29 de abril em Belém/PA.

A presidenta do Sindireceita, Silva de Alencar não conteve as lágrimas ao relembrar da amiga e companheira de lutas sindicais, Dayse Cunha. “Difícil falar da Dayse sem me emocionar, porque além de uma amiga ela era também uma grande profissional, uma Analista-Tributária que nos faz sentir orgulho de seguir nesta carreira” disse ao relembrar alguns momentos marcantes com a amiga. “Dona de um sorriso incomum e alegre, Dayse é referência para todos nós, quer na vida pessoal, quer na vida profissional. Estamos muito honrados e agradecidos pela presença dos familiares, e temos certeza que nossa querida Dayse será sempre um motivo de orgulho para os Analistas-Tributários da Receita Federal do Brasil”, observou.

A presidenta disse ainda que o conforto que chega ao seu coração é ver a violência transformada em amor, por meio do Instituto Dayse Cunha, que oferece atividades artísticas para crianças, jovens e idosos em Belém. “No seio familiar, profissional ou sindical Dayse sempre inspirou a todos com seu exemplo de dedicação e amor, prova disso é o trabalho deixado por ela no Instituto. Dayse você está fazendo falta aqui amiga”, desabafou Sílvia de Alencar.

Para o pai de Dayse, Rudinelfo Machado e Cunha, a homenagem do Sindireceita é um reconhecimento pelo caráter íntegro da filha. “Sei que ela está aqui colhendo os frutos do que plantou. Ela soube ser companheira, dedicada, amorosa com todos que a cercavam”, afirmou. A morte trágica da filha não desperta rancor no coração do pai. Dayse tomou dois tiros, de uma série de 15 disparos contra o carro no qual foi raptada por bandidos no dia 29 de abril. “Foram 15 tiros, contra quatro bandidos e minha filha. Dois dos tiros tiraram a vida dela. Os bandidos nada sofreram. Creio que, apesar da morte trágica, ela está bem assistida no plano espiritual”, enfatizou.

A mãe da Analista, Maria Elizabeth de Almeida e Cunha, não consegue falar da filha sem chorar. “Sei que ela merece esta homenagem, mas acima de tudo merece esse carinho e amor dos amigos da Receita Federal. Ela gostava do trabalho que fazia, gostava dos companheiros de jornada e esta homenagem é o reconhecimento pela bondade da minha Dayse”, afirma agradecida.

A irmã Daely do Rosário Cunha diz que o que sustenta a família é o amor. “O que nos fortalece e consola é o amor à Dayse, o amor de Dayse aos amigos, ao trabalho, à arte, à filha e especialmente o amor que todos nós sentimos por ela. A homenagem é colheita de frutos de ela plantou no decorrer da vida”, conta.

Os quatro bandidos que raptaram Dayse Cunha estão presos e outro também acusado de participar do sequestro continua foragido.