Sindireceita recebe prêmio de combate à pirataria no Ministério da Justiça

O secretário de Segurança Urbana de São Paulo Edson Ortega, a presidenta do Sindireceita, Sílvia Helena, o presidente do conselho da Abes José Curcelli, a secretária-executiva do Conselho, Ana Lúcia Medina após a entrega do 1º Prêmio Nacional de Combate à Pirataria

A iniciativa do Sindireceita de conscientização dos riscos e prejuízos que a pirataria gera a toda sociedade foi reconhecida como a Melhor Ação Educativa realizada no País pelo Conselho Nacional de Combate à Pirataria do Ministério da Justiça (CNCP/MJ), no período de julho de 2010 a agosto de 2011. O 1º Prêmio Nacional de Combate à Pirataria foi entregue à presidenta do Sindireceita, Sílvia Helena de Alencar Felismino, em reconhecimento a campanha “Pirata: tô fora! Só uso Original”, promovida pela entidade.

O secretário-executivo do Ministério da Justiça, Luiz Paulo Teles Ferreira Barreto, destacou as ações do Sindireceita e lembrou a importância da conscientização da sociedade para os perigos dos produtos piratas. “Na área das ações educativas desenvolvidas no País o Conselho premia o Sindireceita que promoveu uma grande ação de conscientização com a campanha “Pirata: tô fora! Só uso original”. É  bom que o consumidor sempre tenha isso em mente: a esmagadora maioria de produtos piratas não presta para consumo. Esses produtos expõe a saúde do consumidor e não é crível que as pessoas com consciência disso continuem comprando e usando alimentos, autopeças, maquiagem que causam danos à saúde e risco a segurança de quem os compra. Por isso, essas ações de conscientização são fundamentais”, disse durante a cerimônia de divulgação dos vencedores, realizada na manhã de sexta-feira, no Ministério da Justiça.

Equipe de Comunicação do Sindireceita, a presidenta Sílvia Felismino, a diretora Kátia Nobre e a secretária-executiva do CNCP Ana Lúcia Medina

A presidenta do Sindireceita, Sílvia Felismino, agradeceu pelo Prêmio e destacou a sintonia do trabalho realizado pela categoria e pelo Conselho Nacional de Combate à Pirataria. “Somos um sindicato cidadão que busca associar a luta da categoria às melhorias para a Nação. Dentro da Receita Federal os Analistas-Tributários travam uma batalha diária para impedir a entrada de produtos piratas no País. Junto à sociedade atuamos com a campanha educativa contra a pirataria e a contrafação. Também criamos um portal piratatofora.com.br para discutir com a sociedade um novo conceito de pirataria, que leve em consideração os avanços tecnológicos, a utilização das redes sociais e o compartilhamento de informações”, destacou. Sílvia Felismino ressaltou o esforço da categoria em promover as ações da campanha e lembrou que os Analistas-Tributários foram pioneiros no País ao chamar a atenção para o crescimento da pirataria. Ela também lembrou o trabalho do Sindireceita sobre a fragilidade no controle das fronteiras ao destacar que com o lançamento do livro “Fronteiras Abertas – um retrato do abandono da aduana brasileira” foi possível mostrar ao País a relação direta entre a falta de estrutura na aduana e o tráfico de drogas, armas, contrabando e pirataria. “Temos um trabalho muito grande sobre a fragilidade no controle das fronteiras. Este ano é com muita honra que recebemos esse prêmio. Pensamos como o Conselho, não basta reprimir é preciso educar. Essa é uma luta árdua e por isso temos que trazer para esse debate outros setores do governo e da sociedade. Os ministérios da Cultura e da Educação, por exemplo, precisam participar desse esforço, pois em uma sociedade mais educada é mais fácil combater a criminalidade”, disse.

A secretária-executiva do CNCP, Ana Lúcia Medina, destacou que a equipe que examinou as indicações fez um amplo trabalho de análise dos concorrentes até chegar aos premiados. “Os vencedores do 1º Premio com certeza mereceram esse reconhecimento. Vai ser extremamente difícil encontrarmos no próximo ano instituições e pessoas que façam um trabalho melhor do que o de vocês. Portanto, parabenizo os três vencedores que realmente mereceram este prêmio”, elogiou.

Premiados

As melhores ações repressivas, educativas e econômicas relacionadas à pirataria foram premiadas nesta sexta-feira, em Brasília/DF. Além da escolha da campanha “Pirata: tô fora! Só uso Original” do Sindireceita, como a Melhor Ação Educativa foi premiada a Prefeitura de São Paulo, como a Melhor Ação Repressiva. O município foi escolhido para o 1º Prêmio  Nacional de Combate à Pirataria pelo conjunto de ações realizadas nos grandes estabelecimentos que comercializavam produtos piratas como o Shopping 25 de Março, a Galeria Pajé, o Shopping Mundo Oriental e outros. O trabalho foi coordenado pelo Gabinete de Gestão Integrada de Segurança da Prefeitura. O prêmio foi entregue ao secretário municipal de Segurança Urbana de São Paulo, Edson Ortega.

Já a Associação Brasileira das Empresas de Software (Abes) foi premiada por desenvolver a Melhor Ação Econômica. A Abes incentivou o uso do serviço SaaS (Software com Serviço), uma modalidade de licenciamento que reduz custos operacionais em sua implantação e é uma alternativa legal ao uso do software pirata. O SaaS pode ser acessado pela internet e o usuário paga apenas pelo que consumir. O prêmio foi entregue ao presidente do conselho da Abes José Curcelli.

468 ad

Leave a Reply